Principais problemas gerados pela falta de saneamento básico

Share this

Você já se perguntou o que é saneamento básico e por que ele é tão essencial para nossa saúde e meio ambiente? No Brasil, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que milhões ainda vivem sem acesso a serviços adequados de saneamento. Esse fato não só prejudica a qualidade de vida, como também acarreta sérios problemas ambientais. Entender o saneamento básico é o primeiro passo para reconhecermos os desafios que enfrentamos e buscar soluções para melhorar essa realidade.

Não é surpresa que o Brasil vive uma profunda crise em diversos setores. A falta de saneamento básico, por exemplo, é uma das que mais preocupa. Ainda que o país tenha se comprometido a universalizar o acesso ao saneamento básico até o ano de 2033 através do Marco Legal do Saneamento Básico, segundo relatório do Instituto Trata Brasil (ITB), cerca de 100 milhões de brasileiros não dispõem de rede de coleta de esgoto, e 35 milhões não têm acesso a água tratada.

Os números mostram que a crise do saneamento básico no país está longe de ser solucionada e isso quer dizer que outros problemas decorrentes dela também seguirão adiante. Abaixo, listamos alguns dos principais problemas da falta de saneamento básico.

O que é saneamento básico?

O saneamento básico engloba uma série de serviços e estruturas que são essenciais para a nossa qualidade de vida, como abastecimento de água potável, coleta e tratamento de esgoto, limpeza das ruas e manejo adequado dos resíduos sólidos. Além disso, também inclui o controle de pragas e outros serviços que ajudam a melhorar as condições de higiene e saúde pública.

Dessa maneira, em sua essência, o saneamento básico visa proporcionar condições dignas e saudáveis para a população, prevenindo doenças e promovendo qualidade de vida. A água potável e o acesso a instalações sanitárias adequadas são pilares fundamentais dessa abordagem, impactando diretamente na saúde pública e no bem-estar geral.

Para tanto, alguns dos serviços e infraestruturas mais importantes quando se trata de saneamento básico são:

  • abastecimento de água potável: refere-se à disponibilidade de água de qualidade para consumo humano. Isso envolve não apenas a captação e distribuição, mas também a garantia de que a água seja livre de contaminantes prejudiciais à saúde;
  • tratamento de esgoto: compreende o processo de coleta e tratamento do esgoto doméstico e industrial antes de seu descarte no meio ambiente. O objetivo é evitar a contaminação de corpos d’água e prevenir doenças relacionadas à exposição a resíduos;
  • coleta e destinação de resíduos sólidos: envolve a coleta eficiente de resíduos sólidos, sua separação adequada e destinação final em locais apropriados, como aterros sanitários. Essa medida visa controlar a poluição ambiental e promover a sustentabilidade;
  • medidas de higiene e drenagem: incluem a implementação de práticas de higiene, como lavagem das mãos e o manejo adequado das águas pluviais para evitar alagamentos e inundações.

Apesar de sua importância, o saneamento básico enfrenta desafios significativos em muitas regiões do mundo. Dificuldades financeiras, infraestrutura inadequada e falta de conscientização são alguns dos obstáculos que impedem o acesso universal a serviços de saneamento básico.

Qual é a situação do saneamento básico no Brasil?

O saneamento básico no Brasil enfrenta grandes desafios. Um levantamento de 2023 aponta que quase metade das residências brasileiras sofre com a falta de infraestrutura adequada nesse setor. De fato, 46,2% das famílias vivem com alguma carência relacionada ao saneamento. E a realidade é ainda mais crítica nas regiões norte e nordeste.

Ao todo, 100 milhões de pessoas não têm rede de esgoto no Brasil. Além disso, o número ainda mais preocupante é o de acesso a água potável, pois esse elemento básico para a saúde humana ainda não faz parte da realidade de mais de 35 milhões de brasileiros.

Especificamente no Norte do país, os números são os mais preocupantes: apenas 60% da população tem acesso à água tratada e míseros 14% contam com coleta e tratamento de esgoto. Essa discrepância se estende também entre áreas urbanas e rurais, evidenciando uma desigualdade que afeta diretamente a qualidade de vida e a saúde das pessoas.

Portanto, a situação atual no Brasil mostra que ainda há um longo caminho a percorrer. Milhões de brasileiros padecem sem acesso à água tratada ou coleta de esgoto, situação que resulta em doenças evitáveis e agrava problemas socioambientais. Apesar de existirem projetos em andamento visando ampliar os serviços até 2033, é crucial reconhecer as disparidades regionais persistentes, especialmente nas áreas mais pobres do norte e nordeste do país.

Quais problemas podem ser gerados pela falta de saneamento básico?

A ausência de saneamento básico reverbera em uma série de problemas que afetam direta e indiretamente a vida das comunidades. Essa carência não é apenas uma limitação estrutural, é, principalmente, uma questão de saúde, dignidade e desenvolvimento sustentável. A seguir, separamos os principais impactos negativos que a falta de saneamento básico pode acarretar na vida das pessoas:

Falta de saneamento básico gera doenças

A ausência de um saneamento adequado se relaciona diretamente à proliferação de doenças. A destinação inadequada do lixo e a falta de tratamento de água e do esgoto aumentam o contato com inúmeros agentes perigosos para a saúde.

Doenças com maiores incidências devido à exposição a ambientes sem saneamento são leptospirose, disenteria bacteriana, esquistossomose, febre tifoide e cólera. Mas não são só elas que preocupam. Novos vírus podem se aproveitar de rotinas inadequadas de higiene e colocar em risco a vida da população mais vulnerável. Na pandemia da COVID-19, por exemplo, uma das recomendações dos órgãos de saúde pública era justamente manter a higiene das mãos para evitar o contágio.

Falta de saneamento básico contribui para o aumento da mortalidade

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que 88% das mortes por diarreia no mundo são causadas pela falta de saneamento básico adequado. As crianças sofrem mais, sendo 84% do montante. Mas este número pode diminuir com a aplicação de políticas públicas efetivas sobre o tema. Assim, o Marco Legal do Saneamento Básico aparece como uma nova esperança.

Falta de saneamento básico prejudica o sistema público de saúde

A OMS diz que, para cada dólar investido em água e saneamento básico, pode-se economizar mais de U$4 em saúde. Segundo dados da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), no primeiro trimestre de 2020 o Brasil gastou R$16 milhões com internações por doenças decorrentes da falta de saneamento básico. Por isso, quanto mais políticas em prol da universalização do saneamento básico, menos pessoas nos hospitais.

Habitat Brasil ajuda a combater o problema do saneamento básico

A Habitat para a Humanidade Brasil busca contribuir com a disseminação do acesso à água, saneamento básico e higiene através de projetos e iniciativas que acontecem em todo o país. Entre as ações que realizamos, podemos citar a instalação de cisternas, reforma de banheiros e melhorias habitacionais.

Queremos promover o acesso a direitos básicos e garantir que todas as pessoas possam viver com dignidade. Para isso, contamos com doações de pessoas que têm o mesmo propósito. Se você também pensa dessa maneira, junte-se a nós. Doe agora e contribua com um país melhor