Habitat Brasil finaliza reparos emergenciais no litoral paulista

Share this

“A gente ficou sem saída, né? Só esperando o dia clarear para ver para onde a água ia baixar. Foi um estrago que igual nunca teve. Foi muito triste”, é assim que Carmen descreve a noite de 19 de fevereiro de 2023. Naquele domingo, os habitantes de São Sebastião, município do litoral norte paulista, foram afetados pela maior chuva já registrada em toda a história do nosso país. Estima-se que foram mais de 600 milímetros de água em um curto intervalo de horas, resultando em diversas regiões com registros de inundações e deslizamentos.

Assim, em plena véspera de carnaval, concretizou-se uma das maiores tragédias socioambientais da história do estado de São Paulo. 64 pessoas tiveram suas vidas interrompidas e mais de mil ficaram desabrigadas. Ainda hoje, as comunidades sobreviventes ainda enfrentam desafios significativos que evidenciam que a tragédia não terminou em 2023. Ela ainda acontece, todos os dias, seja na ameaça constante de novos deslizamentos, na ausência de indenizações adequadas ou na falta de alternativas dignas de moradia. A tragédia se repete. 

Carmen conta à nossa equipe que, após a passagem da tempestade, a casa de seu padrasto, um senhor de 89 anos, ficou completamente danificada. “Não havia colchões para dormir; tinha que dormir no sofá molhado. A casa dele quase desabou, rachou inteira e ficou cheia de goteiras, o mesmo ocorreu com a casa da minha mãe.” Ela também destaca que tanto sua mãe quanto o padrasto são aposentados, portanto eles não teriam como custear os reparos para recuperar a dignidade da casa.

Carmen (à direita) ao lado de Raquel, também beneficiada com reparos emergenciais pela Habitat Brasil

reparos emergenciais

Carmen faz parte dos 178 moradores e moradoras da Vila Débora, em Camburi, São Sebastião, beneficiados com reparos emergenciais pela Habitat para a Humanidade Brasil. Ao todo, foram contempladas 61 famílias com 295 reparos que incluíram: impermeabilização de paredes, substituição de pisos danificados, manutenção ou troca de telhados, instalação de comportas para contenção de águas em situações de alagamento, instalação e disponibilização de filtros para evitar a ingestão de água contaminada, troca de portas e janelas danificadas, manutenções elétricas e instalação de válvulas para retenção na rede de esgoto.

critérios de seleção

As famílias contempladas foram selecionadas de acordo com alguns critérios sociais e técnicos. Entre os critérios sociais, podem ser atendidas as famílias com renda inferior a 3 salários mínimos ou renda per capta de até meio salário mínimo. São famílias com pessoas com doenças crônicas e/ou respiratórias, crianças, idosos, gestantes e/ou pessoas com deficiência, priorizando as residências onde as mulheres sejam chefe de família e mães solo.

Dentre os critérios técnicos, foram selecionadas moradias que foram afetadas pelas enchentes, que tiveram danos nas paredes, portas, comportas, fachadas, telhados, e que não possuem água tratada. Além disso, são priorizadas casas que não tenham risco estrutural de colapso, que não estejam em zonas de risco, que sejam próprias e que estejam em zonas consolidadas e passíveis de regularização.

✱ Essa iniciativa foi realizada com recursos do fundo global de emergência para resposta a desastres da Habitat Internacional e de instituições parceiras, como o Bank of America e Gerando Falcões.