Dia Mundial da Água: alternativas para uma sociedade mais justa

Share this

Mais de 570 famílias já foram beneficiadas com cisternas através da organização social Habitat para a Humanidade Brasil 

Instituído em 1992 pela Organização das Nações Unidas – ONU, neste domingo (22), é comemorado o Dia Mundial da Água. Para além da celebração deste importante recurso natural, é importante refletir sobre o difícil acesso à água por algumas famílias, sobretudo do semiárido brasileiro. Nesse contexto, a ONG Habitat para a Humanidade Brasil vem construindo cisternas junto à população do agreste de Pernambuco.

Diante do cenário de uma pandemia, a água se tornou uma importante aliada no combate ao Coronavírus, visto que, através do seu uso, menor é a proliferação. Porém, esse recurso ainda não é um direito assegurado para todas as pessoas. Segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS – 2018), apenas 74% da população do Nordeste brasileiro têm atendimento a redes de água.

Josineide, moradora do Sítio Chambá, em Riacho das Almas/PE, não fazia parte das pessoas que tinham acesso à água. “Antes de construir a cisterna junto com a Habitat era muito sofrido. A gente tinha que caminhar quase meia hora para buscar água. Imagina a dificuldade tendo criança de braço?”, comenta Josineide, que foi uma das 575 famílias beneficiadas com cisternas pela organização.

A ONU, em busca de acabar com a pobreza e proteger o planeta, estabeleceu os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, onde o ODS 6 prevê assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos até 2030. Em busca de promover uma vida mais digna, a Habitat Brasil atua desde 2007 no agreste pernambucano, construindo cisternas que captam água da chuva. O trabalho é mútuo, feito por voluntários(as) e moradores(as) das comunidades. Esses voluntários captam recursos para financiar a ação e passam cerca de uma semana construindo cisternas e conhecendo a realidade das famílias.

“Nós priorizamos o atendimento a famílias lideradas por mulheres, e com crianças, idosos ou pessoas com problemas de saúde e deficiências morando na casa. Mas o principal critério é que sejam famílias em área rural, sem acesso a água, que recebam até 2 salários mínimos de renda familiar mensal. A mudança na qualidade de vida para as famílias é imediata. Não podemos conceber que milhares de famílias ainda carecem de acesso a este direito humano mais básico”, afirma Mohema Rolim, Gerente de Programas da Habitat para a Humanidade Brasil e responsável técnica pelo projeto.

As cisternas – As cisternas são feitas com placas de concreto e construídas por meio de mutirões em que as famílias, moradores das comunidades e voluntários da Habitat Brasil participam. Quando chove, a água cai na calha do telhado, desce pela tubulação e chega até o reservatório, que tem capacidade de armazenar até 16 mil litros d’água. Nas épocas de seca, basta usar a bomba e retirar água potável pronta para consumo, alimentação e agricultura. De acordo com a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), ainda existe um déficit de 350 mil cisternas para que o acesso à água potável seja universalizado na região.

Escritório Nacional
CNPJ:
65.171.860/0001-33
Endereço: Rua São Gonçalo, 118 – Boa Vista, Recife, PE – 50070-600 – Brasil
Tel: 55 81 3221 3137
Email: habitat@habitatbrasil.org.br

Escritório de Inovações Urbanas
CNPJ:
18.093.824/0001-19
Endereço: Rua Estela, 515 – Vl. Mariana, São Paulo, SP – 04011-904 – Brasil
Tel: 55 11 5084-6698
Email: contato@hph.org.br

© Todos os direitos reservados – 2018 – Habitat para a Humanidade Brasil – Desenvolvindo por Brifô