Mulheres Construindo Casas e Recriando Vidas

Construção de Casas Novas

Project Detail

Mulheres Construindo Casas e Recriando Vidas

Iniciado em 2010, o projeto foi um esforço de Habitat para a Humanidade Brasil para garantir melhores condições de vida a mulheres do município e suas famílias. Em sua maioria chefes de família, as mulheres raspadeiras trabalhavam em condições precárias, em ambientes insalubres, com jornadas de mais de 12 horas diárias e remuneração de R$ 25,00 por tonelada de mandioca raspada, totalizando uma renda mensal de aproximadamente R$ 240,00. O fato de não terem moradia própria fazia com que boa parte desse valor fosse comprometido com o pagamento de aluguel. Além disso, a mudança frequente de endereço impossibilitava a constituição de laços comunitários e redes de apoio, prejudicando o desenvolvimento local.

O projeto contou com diversas parcerias e grupos de voluntários nacionais e internacionais que ajudaram a construir casas para a comunidade. As próprias mulheres participaram do processo construtivo, apoiando na construção de suas casas e nas casas de suas vizinhas. Além disso, as mulheres foram capacitadas para participarem ativamente do processo de participação política na região, se tornando lideranças comunitárias e articulando propostas para melhoria das condições de vida das raspadeiras.

projeto também contou com oficinas de educação financeira para ajudar as famílias a organizarem o orçamento familiar; oficinas de trabalho e renda para dar às mulheres as ferramentas necessárias para desenvolver outros trabalhos e melhorar suas condições de vida; oficinas de empoderamento feminino, para dar às mulheres a força necessária para se tornarem protagonistas de suas vidas.

Para conhecer mais sobre a história das mulheres raspadeiras, confira o filme “Olê Larinda – O canto das raspadeiras de mandioca”.

O projeto contou com parceria da Prefeitura de Feira Nova, Caixa Econômica Federal, Ministério das Cidades, Centro das Mulheres de Vitória, CEHAB, FASE, Swiss Re e do Consulado Americano, além de ter recebido brigadas de voluntários da Global Village, Escola Americana do Recife e Kraft Foods, apoiando na construção das casas.